Violência Gratuita



O que esperar de um filme acerca do qual o ex-presidente americano, George W. Bush afirmou ser “O filme mais terrível que assisti em anos”? Levando em conta a aterrorizante guerra contra o terror de Bush, boa coisa é que não.
violencia-gratuita
Violência Gratuita (Funny Games U.S.) atinge o status de arte ao mostrar uma dupla de psicopatas extremamente educados, limpos e de aparência tão acima de qualquer suspeita que mães de todo o mundo gostariam de tê-los como genros.

Remake do filme homônimo de 1997, dirigido pelo mesmo Michael Haneke, mostra uma família rumo a uma semana de férias que são feitos reféns pela dupla de psicopatas, que os “convidam” para participar de um jogo, e, sem tirar o sorriso do rosto, começam a atormentar e agredir suas vítimas, dizendo que, na verdade, a culpa é deles, e  se fossem um pouco mais educadas tudo seria mais fácil.

Em um dado momento, questionados pela esposa por que não os matavam de uma vez, respondem simplesmente que não teria a mesma graça; chegam a propor para a esposa que escolha como o marido deve ser morto: a facadas ou com um tiro.

Violência Gratuita tem de ser assistido, uma vez que não se pode descrevê-lo da forma como merece. Tratados de psicologia poderiam ser escritos com base nele, muitos ficarão chocados, dirão que é uma aberração, um zero a esquerda e um produto inútil. Não acho. Apesar de ter sido um fracasso retumbante de público, e, segundo o Metacritic – onde tem nota 41/100 – de crítica, é um filme que te prende sem precisar de efeitos visuais mirabolantes ou óculos 3D. É um filme que se mantém em pontos nos quais todo filme deveria se manter: em atuações convincentes, direção pontual e roteiro brilhante.


8 comentários:

Rodrigo Saling disse...

Que legal ser assinante RSS do blog, notícias fresquinhas. heheheh

Humm, vou botar esse filme na listinha de filmes a baixar assim que eu assinar o Rapidshare, porque torrent não funciona mais lá em casa :-/

Abraço!

Luciano A.Santos disse...

Rodrigo,

O filme vale a pena, apesar de que muitos torceram e ainda torcerão a cara.

Baixa lá!, rsrs.

blogdocatarino.com disse...

A falta de público deve se dar justamente pelo anúncio prévio de tanta violência. O cinema é para distrair e se vamos ficar horrorizado e com medo para que assistir.
Agradeço sua visita e comentário no aniversário do meu blog.
Grande abraço
Catarino

Karina disse...

A verdade é que as pessoas não gostam de ver filmes em que fiquem indignada ou se sintam agredidas, por que querem justamente esquecer da realidade. Por isso vampirinhos, libisomens e bichinhos azuis fazem tanto sucesso. Encarar a realidade é duro pra muita gente.
Gostei da dica. Vou anotar.

Luciano A.Santos disse...

Catarino,

Concordo em termos. A baixa bilheteria pode ser atribuída, também, ao fato de ser um remake shot-for-shot, ou seja idêntico ao original.

Grande abraço, e parabéns.

Luciano A.Santos disse...

Karina,

Concordo plenamente: as pessoas sempre buscam escapes à realidade, por isso filmes fantásticos estão na moda. Pessoalmente gostei de Violência Gratuita, foi um filme que me prendeu.

Abraços.

Wyliam disse...

O filme só não fez mais sucesso porque ultimamente ta todo mundo meio alucinado com essa história de 3D, mas eu gosto também de filmes simples e chocantes, sempre conseguem passar o que querem de uma maneira mais inteligente.

São poucas as grandiosas produções que realmente encantam pela história. Abraços.

Luciano A.Santos disse...

Wyliam,

Concordo com você. Atualmente os efeitos é que são levados em conta na hora de se dizer se um filme é bom ou não, o que é uma pena, já que grandes filmes devem ter muito mais que isso.

Abraços.

Postar um comentário

Os comentários aqui publicados são de total responsabilidade de seu respectivo autor, e não representa, necessarimente, a opinião do blog Luciano A.Santos ,de seu autor, ou seus associados e/ou prestadores de serviços.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial.