O Filme da Minha Vida



Nesta blogagem coletiva proposta pela Vanessa do blog Fio de Ariadne e inspirada na blogagem coletiva O Livro da Minha Vida, a idéia é falar do filme de nossas vidas. Assim como na bc do livro é uma tarefa complicada, cada um de nós tem uma porção de filmes favoritos, cada um deles nos tocou de uma forma, gostamos de um porque é alegre, do outro por que tem suspense e assim vai. Então como escolher o filme de nossas vidas?

O filme da minha vida é controverso, alguns o consideram uma obra-prima, outros acham que não tem valor algum. Escolhi falar dele devido ao impacto que causou em mim, na época em que o assisti pela primeira vez tinha uns 17 anos, e que perdura até hoje, depois de tê-lo assistido mais umas dez vezes.



Rocky, um lutador foi lançado em 1976 e surpreendeu por sua história simples que exemplificava de maneira quase perfeita o tão falado Sonho Americano. Rocky era um boxeador desconhecido, que ganhava uns trocados a mais como cobrador de um agiota, desacreditado até mesmo no clube onde treinava. Sua sorte muda do dia para a noite quando o oponente do atual campeão mundial Apollo Creed se machuca e fica impossibilitado de disputar o título. Sem oponente - e sem uma luta onde poderia faturar mais alguns milhões - Apollo tem a idéia de fazer uma luta exibição com um boxeador iniciante, dando a este lutador a chance de ser o centro das atenções por pelo menos uma noite, dando ao desconhecido "a incrível oportunidade de disputar uma luta com o campeão mundial". Creed é um chato, e merece os socos que vai levar mais adiante.

Rocky é escolhido por acaso, Creed gosta de seu nome - Rocky, o Garanhão Italiano - enquanto leem os nomes dos inscritos na federação de boxe, então faz a proposta da luta. Rocky aceita e se prepara para a disputa, treinado por Mickey e com a ajuda de Paulie, que deixa que ele treine socando carcaças num frigorífico onde trabalhava. A cena mais famosa do filme, Rocky subindo correndo as escadarias do Museu de Arte da Filadélfia, com dificuldade até chegar triunfante ao topo, ao som de "Gonna Fly Now" tornou-se um marco na história do cinema mundial. Eu paro por aqui.

Silvester Stallone escreveu o roteiro de Rocky em 3 dias, após assistir a uma luta entre Muhammad Ali e o desconhecido Chuck Wepner. Impressionado com aquele desconhecido que resistira por 15 rounds ao maior boxeador de todos os tempos, decide levar a história ao cinema, e mais que isso, decide ser aquele desconhecido no cinema.

O que impressiona em Rocky é o ambiente: o lutador vive em uma Filadélfia escura, úmida e imunda, solitário, enquanto tenta conquistar Adrian, conversando com suas tartarugas e aguentando o mau humor de Paulie. Apesar de tudo é feliz. Já disseram que "Rocky é um idiota. Mas é um doce idiota." Concordo.

Com um orçamento de pouco mais de 1 milhão de dólares Rocky foi o filme de toda uma geração de americanos que viram na obra a certeza de que o Sonho Americano era possível, e uma legião de estrangeiros que pensavam que o Sonho Americano era, talvez, sua única esperança.

Mesmo tendo nascido 10 anos depois de seu lançamento, e tê-lo assistido 27 anos mais tarde, Rocky também é o filme da minha vida, pois me mostrou como é possível mudar o rumo das coisas num momento em que a preocupação acerca de qual rumo tomaria me afligia: estava terminando o segundo grau, não trabalhava e me sentia despreparado para o vestibular. Rocky é a prova - ficcional, claro - de que acreditar em si mesmo vale a pena, de que devemos nos agarrar com todas as nossas forças às oportunidades que nos são apresentadas. E que uma derrota honrosa vale muito mais que uma vitória indigna.

Fontes: iMDb, Wikipedia.pt, Rocky.com


1 comentários:

Luciano A.Santos disse...

Antes do Intense Debate dar pau, em 18 de maio de 2009, aqui existiam 35 comentários.

Postar um comentário

Os comentários aqui publicados são de total responsabilidade de seu respectivo autor, e não representa, necessarimente, a opinião do blog Luciano A.Santos ,de seu autor, ou seus associados e/ou prestadores de serviços.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial.